Tatuapé: técnica e show da bateria são destaques em desfile da atual campeã
10/02/2018 - 11h13 em Carnaval

Uma das mais esperadas da primeira noite de desfiles do Grupo Especial do Carnaval de São Paulo 2018, a atual campeã da cidade, Acadêmicos do Tatuapé, chegou na madrugada do sábado (10), no sambódromo do Anhembi, quando foi a quinta a pisar no palco da folia.

 

 

E chegou cercada de favoritismo, por uma série de aspectos: por defender o título, pela força de seu samba, pelo histórico recente e pelo desempenho arrebatador na temporada de ensaios técnicos gerais.

 

Cheia de influências de bambas em sua origem, a Tatuapé foi uma das protagonistas dos primeiros desfiles oficiais. Porém, passou décadas inteiras fora da elite, no período de 1978 até 2003.

 

Entre altos e baixo, foi nesta década que ressurgiu com toda a força. Em 2010, estava no Grupo 1 da Uesp, hoje, é a atual campeã da cidade. O sucesso deve-se muito ao planejamento e a boa gestão da administração atual. Agora, o desafio é manter-se no topo.

 

Com uma comunidade atuante e presente, passa batida pela dificuldade de ter sua sede embaixo de um viaduto, no hoje super valorizado bairro do Tatuapé.

 

Além da mudança de carnavalesco, outra novidade na Tatuapé para este Carnaval veio logo em sua comissão de frente. Substituindo Mônica Oliveira, assumiu a função o carioca Leonardo Helmer. A aposta foi nos movimentos clássicos, com franceses colonizadores do local.

 

E o prestígio tem explicação. Chegaram em um momento crítico, quando a escola caiu para o antigo Grupo 1 da Uesp, hoje, Acesso 2. Chegaram com uma proposta de mudança na entidade, com a volta de antigos componentes, como Erivelto Coelho, Eduardo dos Santos, atual presidente, Edu Sambista, entre outros. Eles se somaram ao lendário presidente Roberto Munhoz, herdeiro do baluarte Mala, na condução da agremiação.

 

A dupla vêm crescendo junto com a escola, em postura, notas e prêmios, se tornando um casal de respeito no meio. “Crianças” cheias de responsabilidade. Sempre de bem com a vida. A vibração foi passada novamente ao público através da dança nesta noite, realçada por luzes de led enfeitando os figurinos.

 

O estado do Maranhão, tema do enredo, é o quarto mais rico da Região Nordeste do Brasil.

 

A capital e cidade mais populosa é São Luís. Suas origens são bem carnavalescas…Começam com o rei de Portugal, Dom João III, dividindo a região em duas capitanias hereditárias. Franceses e holandeses ainda passaram por lá, influenciando na cultura e formação étnica do povo local que, segundo último levantamento, possui cerca de sete milhões de habitantes.

 

Contar a história e as tradições do lugar, esse foi o propósito do novo carnavalesco, Wagner Santos.

 

Alegorias de grande proporção, cheias de elementos e informações visuais, com materiais rústicos, passearam com precisão pelo desenvolvimento da história. Nos figurinos, bem acabados, luxuosos e volumosos em suas formas, cores quentes contribuíram para a harmonia visual do conjunto.

 

Se na comissão e no comando do projeto de Carnaval houveram mudanças, nos demais segmentos o trabalho teve sequência.

 

“Regendo” a batucada “Qualidade Especial”, que continua tendo como rainha Andrea Capitulino, mestre Higor. Seriedade e trabalho intenso, na personalidade e no cotidiano, mas muita ousadia na montagem de seu ritmo e execução na pista.

 

Sua bateria conseguiu, sem dúvida, ser o grande destaque do desfile. Perfeita na equalização dos instrumentos, foi responsável pelos momentos mais vibrantes da passagem da Tatuapé pela pista, levantando o público por onde passou.

 

Se é verdade que em time que está ganhando não se mexe, a Tatuapé manteve a fórmula, ao menos no mecanismo para definir sua escolha de samba-enredo. Para slecionar a canção deste ano, 34 obras foram inscritas, avaliadas através do processo de audições internas. Os participantes do concurso, absolutamente fechado, foram votados por representantes de cada um dos setores, até uma primeira decisão, classificando três composições, antes da batida de martelo.

 

Além dos efeitos subjetivos e artísticos que um bom samba impacta no espetáculo, basicamente, constituído de som e imagem, causando aprovação no público e imprensa, os jurados igualmente têm reconhecido a sucessiva produção qualificada da escola ao atribuir suas notas. De volta ao grupo de elite em 2013, a Tatuapé conseguiu um feito raro. Foram, pelo menos, três sambas, de lá até aqui, celebrados como os melhores de suas respectivas safras.

 

Fabiano Tenor, Mike Candido e Luiz Fernando Ramos assinaram outra vez o hino da Tatuapé. Desde que foi anunciado, ganhou a preferência de sambistas e especialistas. Alegre, valente, de versos curtos e que facilitam o canto, a obra foi novamente o motor do desfile azul e branco.

 

A qualidade do samba se potencializou na voz de Celsinho Mody, de contrato renovado para 2019, o condutor do canto. A grande fase do cantor, fazem do carro de som da escola um de seus maiores trunfos na disputa. Com passagens por diferentes agremiações paulistanas, o artista parece ter encontrado sua casa. Desde a chegada, há duas temporadas, exibe progressiva evolução, tanto técnica, quanto vocal, elementos que o colocam entre os grandes nomes da atualidade no segmento. Mesmo com essa soma de qualidades, a canção que exalta a cultura maranhense não conseguiu levantar os foliões nas arquibancadas do Anhembi.

 

Porém, essa mistura de bom samba, ótimo carro de som e bateria afiada, proporcionou todas as condições para uma boa harmonia. A empolgação, foi crescente, a partir do setor um, que esteve um pouco abaixo em animação e canto na comparação com os demais. A evolução também foi ponto alto da exibição; constante, com pequenas oscilações, foi tranquila, conduzida com correção fazendo a Tatuapé chegar com folga ao final da pista.

 

A Acadêmicos do Tatuapé encerrou seu desfile com 1h03

 

A apuração das notas atribuídas pelos jurados para os nove quesitos avaliados nos desfiles de 2018 serão conhecidas na tarde da próxima terça-feira, dia 13 de fevereiro, com cobertura do portal SRzd.

Fonte: http://www.srzd.com/carnaval/sao-paulo/tatuape-tecnica-bateria-atual-campea/

COMENTÁRIOS